Quase diariamente tenho recebido perguntas na mesma linha do título deste texto. São professores que vivem dias de insegurança e de expectativas quanto ao reajuste do Piso Salarial do Magistério que a Lei Federal estabelece que deva ocorrer no mês de janeiro de cada ano. Em 2020 o reajuste foi fixado em 12,84%, mas alguns governos estaduais e municipais ainda não executaram.

Os primeiros questionamentos que recebi, tratei de responder com longas exposições, depois compreendi ser desnecessário. Tudo está posto e eu mesma já escrevi,  neste espaço, sobre a relação entre Piso e FUNDEB. No caso da Rede Estadual de Ensino do RN, quando as medidas governamentais para favorecer o distanciamento social foram decretadas, uma parte dos professores estava em greve Já fazia 15 dias, justamente reivindicando o reajuste do Piso, em condições aceitáveis.

Diante da crise, em decorrência da pandemia, verificamos as crescentes justificativas, no discurso circulante, que recorrem à questão “moral” com o objetivo de silenciar as vozes que protestam e de acalmar os ânimos. Os discursos vão na linha de constranger aqueles que reclamarem à falta do reajuste. Ora, leio por aí: “como falar em Piso se o momento é de lutar pela vida?” “Sejamos humanos.”

Mas, voltemos à pergunta: “Os recursos do FUNDEB podem ser usados na crise do coronavirus?” Primeiro que fique claro qual é a verdadeira dúvida: “espera, se a educação tem os recursos do FUNDEB e se não podem ser usados para manter outras áreas, porque o reajuste salarial dos professores ainda não foi implantado?” “Será que agora vão alegar o coronavírus para não implantar o reajuste do Piso?”

Respondo: o Fundeb é o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, atende da creche ao ensino médio. É um compromisso do Brasil com a educação, na medida em que assegura recursos que só podem ser investidos na Educação Básica. Logo, as chances são quase zero de tais recursos serem redirecionados para a saúde.

Composto por percentuais das receitas de estados e municípios, o FUNDEB poderá sofrer frustrações, nesse período, mas sabemos que a crise vem ensejando o envio de socorro pelo Governo Federal, o que devolverá o equilíbrio. Por ser restrito ao pagamento da folha dos servidores da ativa que atuam nas escolas, recursos de outras fontes cobrem a folha dos demais, inclusive a dos aposentados e pensionistas.

Sobre o reajuste do Piso Salarial para os profissionais do magistério, respeitando a paridade defendida pelos sindicatos, de modo que a implantação ocorra exatamente da mesma forma para ativos e inativos, convém aguardarmos para conferir qual será a prioridade dada a esse tema que se arrasta desde o mês de janeiro e qual será a narrativa elaborada por cada governo, no embate com os discursos históricos que, tempos atrás, alguns, em outras posições, não se mostrariam complacentes com vírus nenhum.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s